Arquivos SK: Louco ou Cruel?, Ilana Casoy

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Sinopse: A primeira parte aborda os serial killers sob diversos aspectos e à luz da Criminologia, do Direito, da Psiquiatria e da Psicologia, e dedica-se a dissecar este universo. Na segunda parte do livro, Casoy apresenta em detalhes 16 casos de serial killers que chocaram e marcaram o século XX. Histórias que habitam as entranhas da humanidade e o que ela tem de pior: frieza, perversidade e falta de sensibilidade que acabam por produzir o mal em escalas inimagináveis.

 Primeiríssima resenha do ano e é bom já dar play em alguma playlist de música gospel, porque não tá fácil pra ninguém. Brincadeiras à parte, hoje falo sobre Arquivos Serial Killers: Louco ou Cruel? da Ilana Casoy pela Darkside Books.

   Esse livro faz parte de um box que adquiri ano passado, na Black Friday. O box contém o Arquivos Serial Killers: Louco ou Cruel? e o Arquivos Serial Killers: Made in Brasil, e é muito bem feito pela Darkside. Depois de O Demonologista (resenha aqui) não esperava menos do que uma edição de ótima qualidade. Apesar disso, fui surpreendida com dois marcadores de páginas bem adaptados ao estilo do livro e um box bem estruturado e com uma arte impressa em ótima qualidade. Vieram também dois folhetos, um de um parceiro da Darkside e outro apresentando um pouco mais dos livros lançados pela editora. Muitos mimos caprichados. É daquelas edições para deixar exibida na estante!

(Clique na imagem para vê-la em tamanho original) Na foto da esquerda, a arte no box. Do lado direito: acima temos o verso dos dois livros, que se complementam. Abaixo, os marcadores de página.
    Como já comentei diversas vezes aqui no OnR, sou bem fã de literatura de terror no geral. Contudo, não tenho certeza se Arquivos SK se encaixa nessa categoria pois todos os casos retratados em ambos os livros são verídicos, e narrados de uma forma totalmente documental. Não é uma leitura para quem procura histórias sobrenaturais, por exemplo: é de fato um documentário em páginas, apresentando em diversos momentos cópias de documentos utilizados pela polícia nas investigações e fotos dos assassinos. Aliás, Casoy faz uma observação muito interessante sobre esse conteúdo logo no começo do livro: 

"Houve muita reflexão sobre deixar ou não as fotografias dos assassinos, mas penso ser importante que todos percebam como é fácil um lobo se vestir em pele de cordeiro em uma cultura na qual o belo é bom e o feio é mau.
Neste livro se vê que não é nada assim na vida real: o mais belo pode ser também o mais cruel. Seria maravilhoso que nossas crianças aprendessem isso."

   O livro é dividido em duas partes. Na primeira, Ilana nos apresenta algumas definições e conceitos que nos ajudam a mergulhar e entender tanto a segunda parte do próprio livro como outras obras, como por exemplo a série Dexter (a qual inclusive Ilana ajudou na construção do perfil do protagonista). 

   Na segunda porção, são apresentados os casos propriamente ditos. A forma com que Ilana apresenta os criminosos, seus modos de agir e suas breves biografias é renovada a cada caso, não deixando o livro se tornar muito cansativo, maçante ou repetitivo.


   Arquivos SK é interessantíssimo para quem já gosta desse tipo de literatura ou para quem pensa em conhecer um pouco mais sobre. É super válido para quem tem um pé em outros gêneros sanguinários, mas menos realistas. Aliás, se tem uma coisa que a autora discute e demonstra muitíssimo bem durante a leitura é justamente a diferença entre ficção e realidade, especialmente em se tratando de investigação criminal. Esqueça os C.S.I da vida!

   Por outro lado, o principal motivo para que eu goste desse tipo de relato é muito bem trabalhado em Arquivos SK: a mente humana e suas ações simplesmente não conhece limites. Se você pretende ler, é melhor se preparar para gente sendo cozida e degustada em seguida, partes de corpos transformadas em móveis e outras atrocidades que parecem serem possíveis apenas em filmes do mais sangrento terror.

   Arquivos SK me deu vagas noções da legislação americana, também. Ilana apresenta de forma breve mas muito clara as leis e exigências de várias regiões dos Estados Unidos, país onde ocorreu boa parte dos casos listados no livro. 

   Como não se trata de uma história, acho válido comentar com vocês de forma mais clara o final do livro: o último caso comentado é do Zodíaco, sem solução até o presente momento. Ilana apresenta os fatos, curiosidades e tudo que se sabe até o momento para que você também se aventure a um palpite. Confesso que terminei de ler o livro de madrugada e me vi um tanto quanto revoltada, impressionada e assustada (talvez muito mais do que gostaria). A sensação é absolutamente diferente do final de uma leitura sobre algo sobrenatural ou fim de um filme de terror: é algo palpável, possível e chocante. Até que ponto os valores morais humanos são semelhantes? Até onde alguém pode ser classificado como humano? A crueldade é uma doença? Fiquei lidando com essas e outras reflexões durante horas após concluir a leitura.

   Outro ponto muito delicado são as percepções a cada caso. Particularmente, fiquei bastante pensativa sobre como a maioria esmagadora dos assassinos teve problemas familiares: um péssimo relacionamento com os pais, abusos, agressões e negligência. Uma pessoa que sofre um ou mais desses traumas estaria mais próxima de sair por aí arrancando entranhas e esfaqueando crianças ou isso tudo nasce junto com o indivíduo? Bom, essa é uma questão amplamente discutida durante todo o livro. A complexidade humana se torna mais assustadora do que nunca com a leitura de Arquivos SK, um livro pra quem tem cérebro resistente e, principalmente, estômago forte!

Classificação final


0 comentários:

Postar um comentário

 
© Olhei no rodapé - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda
imagem-logo