Como Eu Era Antes de Você, Jojo Moyes

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Sinopse oficial: Quando o café fecha as portas, Lou é obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Tudo parece pequeno e sem graça para ele, que sabe exatamente como dar um fim a esse sentimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro.

   Eu não comecei Como Eu era Antes de Você com grandes expectativas. Mesmo com a edição simples mas bem trabalhada da Intrínseca, a capa delicada e o renome de Jojo Moyes, eu esperava um punhado de açúcar e um final que eu conseguisse prever desde o terceiro capítulo, como aconteceu com inúmeros romances que li nos últimos tempos. Pensei em deixá-lo por último na lista ou ignorar o maravilhoso trailer do filme (você pode conferí-lo no final do post, inclusive), com Emilia Clarke e Sam Claflin. A estreia ocorre na próxima quinta-feira, 3 de março, e meu cérebro estava precisando de uma pausa de livros sangrentos e cheios de crime por alguns dias. Então, resolvi começar... E me surpreendi muito.

   Eu nunca tinha lido nada da Moyes. Pois é; nenhuma de suas tramas me interessou ao ponto de eu adiar minha leitura de algum outro tema. Contudo, a ideia de um tetraplégico e sua cuidadora desastrada me trouxe boas impressões desde os primeiros capítulos: em parte pela narrativa deliciosa da autora, em partes pela fuga dos clichês. Infelizmente, eu tenho tendência a ser aquela pessoa ranzinza que adivinha o final de filmes românticos nos primeiros minutos... Por isso, alguns dos principais requisitos para que eu goste de um romance é a) não ter a menor ideia de como ele vai terminar b) ter uma ideia do final, mas se recusar a acreditar nele por saber que será extremamente emocionante, doloroso ou profundo. Como Eu Era Antes de você não emociona apenas no final. A autora constrói personagens arrebatadores, complexos e ambíguos. Vamos conversar um pouco sobre eles?

- Enfim, mamãe ficou muito surpresa. Acho que esperava encontrar o Quasímodo.

- O problema é esse, Treen - falei, jogando o resto do meu chá no canteiro. - As pessoas sempre esperam.

 Louisa Clark é uma jovem de origem humilde, muito esforçada e com um senso de humor cativante. É muito possível se identificar com ela em pelo menos um aspecto. Porém, Moyes construiu uma personagem sem pretensão: não é uma jovem tola e desastrada apenas para que o leitor se veja nela. Ela é ingênua e batalhadora por ser assim e por fazer parte de sua construção, o que é brilhante: não é um personagem criado apenas para vender, mas para fazer sentido na história e encantar verdadeiramente o leitor sem que ele se sinta barganhado.

   Will Traynor - preciso alertar sobre isso - é o tetraplégico mais charmoso e inesquecível da história literária. Sim, sem exageros. Diferente de outros deficientes ou outros personagens "vitimizados" (perdoem-me por colocar dessa forma), Will tem uma dose cavalar de humor e sarcasmo que o faz ser um dos mais brilhantes personagens dos últimos tempos. Sem aceitar sua condição, o rapaz brilha em cada reação. Você vai se surpreender pela mistura de emoções que Will Traynor lhe trará, mas com certeza ele é indispensável na trama.

   Nathan, o enfermeiro de Will, é um carismático e atencioso rapaz que tem um papel coadjuvante extremamente simpático. Aparecendo em momentos cruciais, Nathan entra na história aos poucos e acaba sendo responsáveis por alguns dos trechos mais marcantes e sensíveis do livro.

  Os pais de Will, a família de Louisa e seu histórico de traumas são espetáculos à parte. Não posso me prolongar muito mais nessa parte para que vocês se deixem levar por cada detalhe da história, mas Jojo tem um cérebro excelente para conectar seus personagens, seus estilos de vida e seus demônios internos. Diferente de tramas em que o milionário é plenamente feliz e esfrega isso na cara do leitor a todo momento (como se uma personalidade marcante e sem problemas viesse junto com o dinheiro), Como Eu Era Antes de Você mostra que uma vida é algo tão complexo, bonito e profundo que nem todo o dinheiro do mundo é capaz de demonstrar.

"Alguns erros apenas tem consequências maiores que outros. Mas você não precisa deixar que aquela noite seja aquilo que define quem você é."

   Sobre o final? Bom, vocês sabem que sou contra spoilers de qualquer natureza. Só posso dizer que foi o mais realista, adequado e profundo possível. É um daqueles livros para ler e refletir durante dias ou até semanas. São histórias como essas que me fazem acreditar que ainda existem autores dedicados a fazer um romance que vende bem, mas que não desafia a inteligência e a maturidade dos leitores.

   Como Eu Era Antes de Você é mais do que uma leitura, é uma experiência. Dê uma chance a uma das mais lindas, tocantes e plausíveis histórias românticas dos últimos tempos e surpreenda-se com um excelente clássico da nova geração.

Classificação final

   Como prometi pra vocês no começo do post, segue o trailer do filme que estreia em breve. Recomendo a experiência de dar o play neste vídeo antes e depois da sua leitura! Contem pra mim o que acharam dessa resenha e, é claro, desse livro incrível. Espero vocês! Beijos






0 comentários:

Postar um comentário

 
© Olhei no rodapé - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda
imagem-logo