Especial Me Before You #3

terça-feira, 14 de junho de 2016

Esse post é o terceiro do Especial Me Before You. Não sabe do que se trata? Clica aqui.
   Esse fim de semana quase tive um treco. Além de ganhar um Kindle do namorado (que não lê o blog, mas mesmo assim vou mandar um beijo pra ele: beijo, Victor, amor!), a gente foi pegar um cineminha e adivinhem quem estava com sessões em cartaz? Isso mesmo. Me Before You  teve sessões de pré-estreia durante o fim de semana dos namorados, mas tudo esgotou tão rápido que poucos foram os sortudos a verem o filme. Além disso, fiquei sabendo que as meninas do Curiosa Metamorfose tiveram a péssima experiência de pegarem sessão com um pessoal que simplesmente dava risada nos momentos emocionantes do filme. Ninguém merece! Eu passei por isso em Garota Dinamarquesa e não foi nada agradável. As pessoas poderiam ter um pouco mais de noção nos cinemas, né? Enfim, deixando o desabafo de lado... Você sabe se a cidade com o castelo retratado no livro de fato existe? E a decisão de Will, é possível de ser tomada de fato? Se você não leu o livro, cuidado! Pode conter spoilers!



   Bom, a cidade onde Louisa e Will vivem - Stortford - não existe de fato. Contudo, existe um pequeno distrito na Inglaterra chamado Bishop's Stortford que parece ter sido a inspiração para Jojo Moyes. A cidade é muito, muito pequena, bucólica e... Tem um castelo! Pois é. Olha só a foto dele:

Foto: Divulgação
   Parece que encontramos praticamente o cenário de Me Before You, né? Bom, algo bem mais polêmico é a decisão de Will. É possível uma pessoa tirar a própria vida de forma legalizada como ele fez? Pasmem: sim, é possível. Na Suíça, há uma clínica especializada no chamado suicídio assistido, quando uma pessoa que possui uma doença terminal decide assumir o controle dos estágios finais da sua vida. É uma decisão sem dúvida polêmica, mas será que cabe a nós o julgamento? Na minha opinião esse é um dos pontos fortes do livro de Jojo: fazer-nos refletir sobre como não podemos lidar com a dor de outra pessoa nem julgar suas decisões. Inclusive, encontrei uma reportagem de um grande empresário britânico que optou pelo procedimento. Se você tem curiosidade e estrutura o suficiente para conferir, pode clicar aqui. Eu me despeço com esse post curtinho mas importante... E volto no próximo! Beijo grande e até lá!


0 comentários:

Postar um comentário

 
© Olhei no rodapé - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda
imagem-logo