5 livros que não consigo ler

quarta-feira, 13 de julho de 2016

      Eu não sei se isso é um problema meu ou acontece com todo mundo, mas algumas vezes eu me apaixono pela capa de um livro, me apaixono ainda mais pela sinopse, começo a ler e... Não rola. Simplesmente isso: não consigo terminar de ler o dito cujo. Eu me esforço bastante em muitos momentos, confesso, pois detesto deixar qualquer coisa inacabada - se comecei um filme, livro ou série, que eu vá até o final! Porém, há vezes em que essa tarefa se torna impossível. E hoje eu vou contar pra vocês 5 vezes em que uma leitura que tinha tudo pra dar certo foi por água abaixo... Quem sabe alguém que leu um desses não me faz mudar de ideia (ou eu descubro que eles realmente não tem nada a ver comigo)?




Melancia - Marian Keyes
   Melancia é um romance bem humorado sobre Claire, uma mulher de 29 anos que foi abandona pelo ex-marido no dia do nascimento de sua primeira filha - ele admite um caso com uma vizinha casada! Então, ela se muda para a casa de sua família. Dado um tempo, James (seu ex-marido) volta e o que a sinopse oficial revela é que Claire tem uma surpresa muito interessante pra ele. Achei a capa graciosa (não que isso conte alguma coisa, né? Mas uma boa capa sempre agrada os olhos, não dá pra negar), a sinopse mega interessante e comecei a ler o mega sucesso da autora que já escreveu muitos outros livros nesse estilo.
   Acontece que eu cheguei em 10% de suas quase 500 páginas (pois é, não é um livro pequeno) e achei que a quantidade de acontecimentos beirava o absurdo de tanta lentidão. A narrativa é bem bacana, um humor sarcástico interessante, maaas... Não me cativou. Achei pouco dinâmico: muitos parágrafos para poucos fatos, sabe?


A Arte da Guerra - Sun Tzu
   A Arte da Guerra fez parte da minha lista de desejos do primeiro semestre de 2016, lembram? Pois é... Infelizmente, preciso dizer que não consegui ler nem 3 capítulos do dito cujo. O livro é sobre como aplicar as estratégias de campos de batalha, guerras e confrontos na vida pessoal, e tem uma narrativa extremamente direta e sem floreios.
   O que aconteceu é que eu me senti lendo um manual, um livro acadêmico sem a menor fluidez. Não sei se estou pouco acostumada com esse tipo de narração: mais densa, direta e objetiva, mas não me adaptei e acabei tendo a impressão de estar lendo um guia de instruções para montar alguma coisa. Não acho que a temática seja desinteressante (muito pelo contrário, aprender a aplicar os princípios chineses de guerra na vida parece ser algo bem promissor), talvez apenas não combine com a minha preferência. É um daqueles que nem me arrisco a tentar novamente, pelo menos não nessa edição... Quem sabe não tento ler mais pra frente?

O Guia do Mochileiro das Galáxias - Douglas Adams
   Considerado um dos maiores clássicos da literatura científica. Mais de 15 milhões de exemplares vendidos no mundo. Humor, dinamismo, sarcasmo. Convite à reflexão. Não dá pra colocar mais ingredientes pra deixar O Guia do Mochileiro das Galáxias mais atrativo pra mim: eu fui com sede de me viciar em um livro novo, entende? Aquela fissura de estar mergulhando em um novo universo literário. Tenho uma enorme falta de afinidade por livros e filmes que tratam de espaço, mas vi nos primeiros parágrafos a chance de me apaixonar por uma história que se passa em várias galáxias devido a narrativa cativante.
   Meu namorado (que não é lá muito fã de leitura, diga-se de passagem) adorou e me recomendou. Eis que vou eu, empolgadíssima, passar para o segundo capítulo. E para o terceiro. E assim foi indo até pouco menos da metade do livro, quando simplesmente desisti de tentar me interessar por ele e deixei de entender boa parte das piadinhas irônicas (e muito boas) do autor. Quem sabe no futuro? Por agora, não consegui me apegar.

Clube da luta - Chuck Palahniuk
   Um clássico. Não há outra palavra para descrever Clube da Luta, que deu origem a um filme famoso com Brad Pitt no elenco. Trata-se de um romance sobre Tyler, um homem que pensa ter achado um meio de burlar as regras sociais mas acaba se encrencando ainda mais toda vez que burla uma delas.
   Eu achei a narrativa do livro mega confusa. Morro de curiosidade de assistir o filme, mas não gostaria de fazê-lo sem antes ler a obra de Chuck. Não entendi a maior parte da história e não sei dizer o que aconteceu nas mais de 30 páginas que li, e olha que o livro tem 272.
   Clube da Luta parece ter uma história complexa, bem construída e super desenvolvida, mas simplesmente não me encaixei no modo com que a história é contada. Não existe um narrador fixo, uma linha do tempo exata... Nem ao menos consegui distinguir quem falava o quê durante os diálogos. Eu posso assistir o filme e voltar a ler depois? Juro: tem épocas que meu cérebro não lida bem com livros complicados.

O Monge e o Executivo - James C. Hunter
   Não tem um estudante de Administração, Relações Internacionais ou cursos similares que não tenha pelo menos ouvido falar neste livro. A sinopse define a história como a trajetória de um empresário que virou um monge, e dá maravilhosos conselhos sobre liderança e convivência. Quem é que não quer umas diquinhas sobre como conviver melhor com as pessoas, né?
   Não posso mentir pra vocês e dizer que não me interessei pela sinopse. O que não me atraiu foi a forma como o livro é levado, sem dinamismo ou artifícios para prender o leitor. É um manual de faça isso ou aquilo que não me agrada em hipótese alguma, mesmo que muito de seus ensinamentos sejam de fato válidos e condizentes. É claro que respeito e admiro a importância e originalidade da história, mas não sei o que faria se um professor meu me obrigasse a ler esse bonito. Talvez esteja faltando um pouquinho de gosto por literatura desse gênero, né? Quem sabe mais pra frente...

   Bom, espero que vocês entendam que esse post é super pessoal. Afinal, todos os livros aqui citados são verdadeiros best sellers mundiais, aclamados pelo público e pela crítica. São livros esplêndidos, mas que não consegui me apegar e terminar. Todo mundo tem aquele filme, livro ou série que é vangloriado mas não entra no coração, né? Hoje compartilhei com vocês alguns dos meus. Um beijão e até o próximo post!


0 comentários:

Postar um comentário

 
© Olhei no rodapé - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda
imagem-logo