Caixa de Pássaros, Josh Malerman

sexta-feira, 22 de julho de 2016


Sinopse oficial: Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois do surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão.

   Caixa de Pássaros é o romance de estreia de Josh Malerman, vocalista de uma banda de rock chamada The High Strung. Como vocês sabem, a sinopse do livro me atraiu bastante e ele era o único da minha wishlist do primeiro semestre de 2016 que eu ainda não tinha lido. Eu amo um bom suspense, um terror bem feito ou uma temática bem forte, e esse livro parecia ter tudo isso. Mesmo assim, me enganei: Caixa de Pássaros é mais além do tudo isso.


   O livro tem duas vertentes. Uma delas ocorre com Malorie e seus dois filhos indo embora de uma casa, e a outra conta como eles chegaram a esse ponto. O tempo todo a narrativa é em primeira pessoa. Malorie vai contando como tudo aconteceu: a pandemia crescente, os surtos regionais se transformando em uma praga de proporções inéditas, a decisão de vendar a si mesma e aos filhos...

   Caixa de Pássaros é claustrofóbico, perturbador. O ambiente pós-apocalíptico é muito bem traçado. Dá pra sentir a agonia dos personagens e se emocionar com cada evidência de perigo. A repulsa está em muitas cenas, trazendo uma agonia indescritível por algo que você nem sabe o que é, porque é definido muito vagamente.

 "Como pode esperar que seus filhos sonhem em chegar às estrelas se não podem erguer a cabeça e olhar para elas?"

   Para quem adora uma história que tem todas as peças encaixadas no final (como eu), Caixa de Pássaros pode deixar várias lacunas. Mas confesso que mesmo fazendo parte do time que adora que uma trama coloque todos os pingos nos is, esse livro me surpreendeu. Achei genial, muito instigante e inquietante. Como diz na sinopse, é o tipo de obra que você termina e te deixa pensando. Porém, o mais polêmico de tudo é justamente seu final sem encaixar todas as peças: pense bem nisso antes de começar sua leitura, especialmente se você for da turma que gosta de explicações sem buracos.

"Mas há dois bebês dentro de caixas em casa. Eles precisam de você, Malorie. Precisam de você precisam de você precisam de você."

   À primeira vista, você pode achar que tem algum erro de digitação no trecho acima. Mas não... É assim mesmo, com essa atmosfera alucinante e incômoda, que Josh faz com que o leitor se insira em sua história sufocante. Caixa de Pássaros é um livro para ser devorado, admirado, extremamente semelhante com Ensaio Sobre a Cegueira (de José Saramago) e outros livros de excelente terror psicológico. Josh disse em entrevista oficial que usou tudo que já leu e assistiu como referência, e parece que deu muito certo. Esse fim de semana, dê uma chance ao tão falado Caixa de Pássaros! Vejo vocês no próximo post.


0 comentários:

Postar um comentário

 
© Olhei no rodapé - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda
imagem-logo