Um Mais Um, Jojo Moyes

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Sinopse oficial (modificada): Há dez anos, Jess Thomas ficou grávida e largou a escola para se casar com Marty. Dois anos atrás, ele saiu de casa e nunca mais voltou. Fazendo faxinas de manhã e trabalhando como garçonete em um pub à noite, Jess mal ganha o suficiente para sustentar a filha Tanzie e o enteado Nicky, que ela cria há oito anos. Jess está muito preocupada com o sensível Nicky, um adolescente gótico e mal-humorado que vive apanhando dos colegas. Já Tanzie, o pequeno gênio da matemática, tem outro problema: ela acabou de receber uma generosa bolsa de estudos em uma escola particular, mas Jess não tem condições de pagar a diferença. Sua única esperança é que a menina vença uma Olimpíada de Matemática que será disputada na Escócia. Mas como eles farão para chegar lá? Enquanto isso, Ed Nicholls decide se refugiar em sua casa de praia por causa de uma denúncia de práticas ilegais envolvendo sua empresa e acaba entrando em mais encrenca, sendo ajudado por Jess. Quando Ed oferece como agradecimento uma carona a família.

   Eu pensei que começaria a ler um daqueles romances que falam apenas sobre um casal que se conheceu de forma inusitada, uma história bonitinha de amor pra adoçar a vida e ponto. Eu (ainda) estava vencida por Como Eu Era Antes de Você, tendo quase certeza de que nenhum livro poderia me emocionar depois daquele. Ledo engano... Jojo Moyes é mesmo impossível, viu. E hoje eu recomendo pro fim de semana de vocês o que meu namorado definiu como "o livro com milhares de personagens na sinopse". E já adianto que um é mais cativante do que o outro.

  Bom, comecemos por eles, então: Ed Nicholls é um rico empresário que, no começo, não parece tão especial quanto é. Parece logo de cara um personagem pobre em detalhes, um pouco superficial e sem graça. Socorrido no banheiro do pub quando está bêbado, ele passa até uma impressão de fragilidade nas primeiras páginas. Porém, ao longo do livro, Ed vai se mostrando cada vez mais humano, com problemas familiares expressivos e principalmente: com um coração gigantesco.

"Quando a pessoa dá duro pra chegar em um lugar, é muito bom mostrar aos outros de onde ela é."

   Tanzie é uma criança inteligentíssima e pentelha na medida certa: aquele personagem que vai te arrancar risadas sem se tornar o bobo da corte ou aquele personagem que vive soltando piadas sem graça. Nicky, por sua vez, é um adolescente complexado mas muito, muito autêntico: é por meio dele que Jojo levanta importantes núcleos do livro, como o trabalho com a auto-estima adolescente, os efeitos da rejeição dos pais em uma pessoa, bullying e outros mais.

   Dizem que as mulheres das histórias de Moyes são fortes, independentes e cheias de garra. Esse estigma é a descrição de Jess, que se desdobra tanto para cuidar das crianças que é impossível não se emocionar. Vemos em Jess o retrato de muitas mães, dedicadas e esforçadas, verdadeiras guerreiras que fazem de tudo para dar aos filhos o que eles merecem, mas muitas vezes conseguem oferecer apenas o estritamente necessário.

"É estranho como sentimos saudade de algo de que sempre só nos queixamos."
   Norman, o cachorro da família, sem dúvida alguma merece um parágrafo só dele nessa resenha e um espacinho especial no coração de quem vai ler. Nutro naturalmente um enorme carinho por animais, mas Norman é um personagem tão maravilhoso que confesso que me apeguei muito mais do que de costume a ele, tanto quanto me apeguei aos personagens humanos da história. Ele não só dá a muitas cenas um toque cômico, mas acaba sendo uma peça crucial para mostrar a união, o carinho e o amor entre os personagens. Norman tem um destino realista e tocante no desfecho da história, ideal para quem nem sempre gosta de finais tristes, mas também não se dá bem com coisas açucaradas demais (como eu).

   Uma hora dessas, você deve estar pensando que vou falar sobre Marty, o pai das crianças. Na verdade, eu prefiro que vocês tenham uma experiência totalmente pessoal com Marty. Eu tive a minha e posso dizer que ela foi importantíssima: para mim, ele não apenas tem outra família, como escolheu esquecer da anterior. Marty finge reintegrar as crianças a sua nova vida, mas a realidade é que a tarefa não é fácil: nada supera os anos de ausência, os cartões atrasados ou impessoais de aniversário. Não sei se Jojo Moyes tem de fato ciência disso (aposto que sim), mas Marty também representa milhares de pais covardes que deixam filhos preciosos para trás.

   Um Mais Um é um livro tocante, bem pensado. Um romance bem construído, nada meloso e muito inteligente. A narrativa (que alterna entre Nicky, Jess, Ed e Tanzie sem ficar confusa!) é envolvente, leve e bem montada. Mais um que entra para a lista de boas experiências literárias. Jojo Moyes arrasou de novo! Experimenta ler no fim de semana. E se você quiser concorrer a um dos livros da Jojo, sabe como fazer, né? Tem promoção aqui no blog. Beijos e até o próximo post!


0 comentários:

Postar um comentário

 
© Olhei no rodapé - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda
imagem-logo